Alimentação / Suplementação

O seu sistema imune não sobrevive só com glutamina

Por Elias de França

Há um grande entusiasmo, por partes dos atletas, em relação à suplementação de glutamina para potencializar o sistema imune (SI), apesar de não haver um consenso científico de que esta suplementação deste amino ácido é benéfico ao SI ou até mesmo no catabolismo muscular de atletas1,2. A glutamina é essencial para o SI, entretanto, pensando no contexto esportivo, a própria prática esportiva (ou melhor, o exercício físico) promove adaptações e mudanças no metabolismo que fortalecem o SI, desde que o atleta esteja bem nutrido3 e que suas cargas de treinamento sejam bem controladas4.

De fato, há uma supressão aguda, ou até mesmo crônica do SI frente à prática de exercício físico intenso e prolongado (por exemplo, em modalidade como futebol, ciclismo, ginástica, maratona e musculação- veja um exemplo de um treino imunodepressor). Uma supressão do SI é difícil de evitar frente às mudanças bioquímicas proporcionadas pelo exercício físico intenso e prolongado4. Nestes casos um aumento das concentrações de glutamina no organismo seria interessante, pois parece que a suscetibilidade de infecções das vias aéreas aumenta nestes momentos, justamente pelo SI estar suprimido4. Entretanto, é improvável que somente a suplementação de glutamina irá regular o SI, a condição nutricional global é ainda mais importante, pois a glutamina é somente um dentre muitos metabólicos que regulam o SI5.

Atualmente o melhor modelo para modulação do SI no esporte é por meio de periodização do treinamento e nutrição. No treinamento, a resposta imunitária ao exercício é uma variável bem conhecida, nesse sentido, quando a um cuidadosa distribuição das cargas de treino ao longo do tempo deve ser feita (periodização do treinamento), caso contrário o atleta irá sofrer as consequências (veja a Fig 1)4. É consenso que o exercício físico moderado é um grande regulador do SI, ao promover o aumento produção de glutamina no organismo, e que isso associada à boa prática nutricional a modulação pode ser ainda mais benéfica3.

Se o atleta estiver com suas necessidades nutricionais supridas, principalmente no que diz respeito aos nutrientes que têm interação direta na modulação do SI como à proteína, algumas vitaminas (vitaminas B6, D, folato e carotenoides), minerais (ferro, zinco, cromo, selênio e cloro) e até mesmo água haverá uma diminuição dos riscos de deficiência do SI5. Com isso, somada a correta periodização do treinamento, teoricamente o atleta ficará mais resistente à supressão aguda devido à prática esportiva intensa e prolongada.

Figura 1. Risco de infecção relacionada a carda de treinamento.

Se você treina pesado, então precisa estar atento para não ficar deficiente nutricionalmente. Seu SI precisa estar afinado, pois cada sessão de exercício físico agudo intenso oferece um desafio ao seu organismo (indução agudo de imunodepressão), caso seja bem planejado (carga de treino bem distribuída) seu organismo será recompensado (com um potente SI).

No próximo tópico iremos falar de distribuição ideal de carga de treinamento para evitar imunossupressão relacionada ao treinamento (mas que são suficientes para você obter resultados). Porque como diz um famoso ditado popular “a diferença entre o veneno e o remédio está no tamanho da dose“: doses exageradas podem matar, por outro lado doses insuficientes não matam, mas também não curam.

 

Referências

  1. Eichner ER. Glutamine Supplementation: Overstaying Its Welcome. Current sports medicine reports. 2013;12(4):211-212.
  2. Nagashima M, Soejima Y, Saito K. Glutamine and exercise. The Journal of Physical Fitness and Sports Medicine. 2013;2(4):469-473.
  3. Wasinski F, Gregnani MF, Ornellas FH, et al. Lymphocyte Glucose and Glutamine Metabolism as Targets of the Anti-Inflammatory and Immunomodulatory Effects of Exercise. Mediators of Inflammation. 2014;2014.
  4. Papacosta E, Gleeson M. Effects of intensified training and taper on immune function. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2013;27(1):159-176.
  5. Fink HH, Fink WSLHH, Mikesky AE. Practical applications in sports nutrition. Jones & Bartlett Publishers; 2013.
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Populares

Ir para Cima