Saúde

A corrida de rua traz mais benefícios do que você imagina

Por que você começou a praticar a corrida de rua? Hoje, milhares de pessoas no Brasil e no mundo praticam a modalidade motivados por diversos fatores, principalmente melhorar a estética, buscar um aumento na integração social, fugir do estresse da vida moderna, além de procurar por atividades prazerosas e competitivas [1]. Mas a corrida de rua traz, além desses, outros benefícios ao seu praticante, principalmente na saúde.

O estilo de vida mundial, com alta demanda de trabalho e estresse e pouca demanda de lazer, atividade física e saúde leva as pessoas um quadro de sedentarismo trazendo uma série de malefícios para nossa saúde, como a obesidade e as doenças cardiovasculares.

O corredor não está isento, mas devido a sua pratica na modalidade, as chances de desenvolvimento destas doenças são mínimas. Com relação as doenças cardiovasculares, o corredor tem uma melhora na função endotelial, aumento da reserva de fluxo coronário, diminuição da pressão arterial e rigidez arterial, o que significa que o corredor de rua diminui em grandes quantidades o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. [2,3].

Além disso, outro fator que aumenta as chances de doenças cardiovasculares é a obesidade. Um estudo do Colégio Americano de Medicina Esportiva (ACSM) em uma análise de pouco mais de 32.000 corredores, em um período de 6 anos, mostrou que de fato, a corrida de rua é eficaz na perda de peso e manutenção de peso [4]. Entretanto, para aumentar a eficácia na perda de peso, é necessário um ajuste na intensidade do treino. Diversos estudos mostram que um aumento na intensidade do treino melhora a taxa metabólica pós exercício, além de suprimir o apetite também após o exercício [5,6]. Knab et al (2011) exemplifica com clareza esta informação, mostrando que um aumento extra médio de 190 kcal na taxa metabólica de repouso após uma sessão de exercício de 519 kcal representa um aumento de 37% no gasto energético combinado [7]. 

Saindo do campo da doença e emagrecimento, a corrida de rua também é importante quando o quesito é a musculatura. Sabemos que o corredor tende a melhorar o VO2 máximo e submáximo, sistema cardiovascular (como dito anteriormente), eficiência mitocondrial e diminuição dos níveis de lactato sanguíneo (a famosa queimação na musculatura) em provas devido a adaptação ao treino de corrida [8]. Estas adaptações são fatores que melhoram a economia de corrida, variável fundamental na melhora da performance [9]. Além disso, essa melhora pode ser levada para o “dia a dia”, pois todas essas variáveis levam ao corredor apresentar um menor nível de cansaço, otimizando diversas tarefas diárias.

Por que você começou a praticar a corrida de rua? Lembra da pergunta no primeiro parágrafo? Você pode ter diversos motivos para ter começado a correr, mas saiba que a modalidade trará muitos mais benefícios do que você imaginou, não só para o esporte, mas também para sua vida.

 

[1] SALGADO, J. V.V.; CHACON-MIKAHIL, M. P. T. Corrida de Rua: Análise do Crescimento do número de provas e de praticantes. Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v.4, n.1, 2006.

[2] PREDEL, H.G. Marathon Run: cardiovascular adaptation and cardiovascular risk. European Heart Journal. v.35, n.44, 3091-3096, 2014.

[3] GEORGE, K. et al. Cardiac adaptation to acute and chronic participation in endurance sports. Heart (British cardiac society). v.97, p.1999-2004, 2011.

[4] WILLIANS, P.T. Greater weight loss from running that walking during 6.2-yr prospective follow-up. Medicine and Science in Sports and Exercise. v.45, n.4, p.706-713, 2014.

[5] DIONNE, I. et al. Postexercise macronutrient oxidation: a factor dependent on postexercise macronutrient intake. American Journal of Clinical Nutrition. v.69, p.927-930, 1999.

[6] LAFORGIA, J. et al. Effects of exercise intensity and duration on the excess post-exercise oxygen consumption. Journal of Sports Science. v.24, p.1247-1264, 2006.

[7] KNAB, A.M. et al. A 45-minute vigorous exercise bout increases metabolic rate for 14 hours. Medicine and Science in Sports and Exercise. v.43, p.1643-1648, 2011.

[8] JONES, A.M and CARTER, H. The effect of endurance training on parameters of aerobic fitness. Sports Medicine. v.29, n.6, p.373-386, 2000.

[9] FLETCHER, J.R and MACLNTOSH, B.R. Running economy from a muscle energetics perspective. Frontiers in Physiology. v.8, n.433, p.1-15, 2017.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Populares

Ir para Cima